13 - CHUVA DE PEDRAS




Ana Carlota correu por mais uma hora, sem mostrar cansaço, com os olhos bem abertos a olhar em frente para a imensidão de luz branca que era tudo o que ali existia. Gostava de correr, e gostou de tudo o que sentiu quando se tocou e se redescobriu. As sensações regressaram ao corpo que era seu, que nunca deixou de lhe pertencer, e as lágrimas correram-lhe pelas faces, e ela ficou feliz porque recordou, e parou de correr.
Saltou para o ar, em frente, numa espécie de salto de anjo, e foram muitas as pedras que lhe passaram por cima a grande velocidade, pedras grandes e pequenas. De onde vieram e quem as atirara, não o sabia.
O corpo de Ana Carlota ficou moldado no chão branco do lugar, depois de nele ter caído desamparada. Levantou-se e conseguiu ver o seu físico desenhado com uma perfeição e um detalhe notáveis. Sentiu-se acompanhada, já não estava tão sozinha, e sorriu. Estava feliz e não deu conta que as pedras continuavam a ser arremessadas na sua direção.
Um seixo enorme atingiu-a com violência, e Carlota desfaleceu.

Comentários